quinta-feira, fevereiro 08, 2007

A Tortura do Medo/Mórbida Curiosidade

(Peeping Tom, Reino Unido, 1960)



Pelos olhos de Mark Lewis (Karl Heinz Böhm, filho do grande maestro alemão Karl Böhm) acompanhamos os passos de uma prostituta até o seu assassinato, visto em câmera subjetiva. A cena, registrada em película, é depois assistida por Mark, agora espectador da ação da qual foi algoz. E nós, mais do que meros espectadores, participamos do ato continuo de Mark e compartilhamos com ele o pavor da mulher registrado nos momentos finais de seu snuff movie, de onde tira(mos) todo um prazer voyeurístico. Outras mulheres terão o mesmo destino: a garganta espetada pelo tripé da câmera de Mark, um operador de foco de grandes produções cinematográficas e fotógrafo clandestino de garotas nuas nas horas vagas. Quer, no entanto dirigir seu próprio filme, “baseado em fatos reais”, por isso não larga a câmera 16 mm e filma tudo ao seu alcance. Ele ainda secretamente revelará os filmes em seu apartamento para depois assisti-los, o que desperta a curiosidade de sua ruiva vizinha Helen (Anna Massey), que se simpatiza de cara com seu tipo recluso, solitário e freqüentemente assustado, pois quando criança teve seu dia-a-dia sistematicamente registrado em som e filmagens aterradoras pelo pai, renomado cientista do comportamento, mais interessado em assustá-lo para depois estudar suas reações diante do medo e da tristeza que em ser um pai propriamente dito. O laço entre Vivian e Mark se estreita e altera um pouco os hábitos dele. Porém, a mãe dela (Maxine Audley), mesmo cega, percebe que há algo de errado nisso tudo, até o final impactante, onde acuado, Mark tratará ele mesmo de virar protagonista de seu filme demente.

Polêmico à época, pelo tratamento aberto e franco que dava à sexualidade e suas implicações com o voyeurismo na ainda muito reprimida Inglaterra do começo dos anos 60, além de todo o erotismo advindo da dor e da violência, cruamente mostrada, Peeping Tom custou a carreira do brilhante diretor Michael Powell, mestre do Technicolor e de narrativas originais e inventivas visualmente (Sapatinhos Vermelhos, Narciso Negro, Neste Mundo e no Outro, Coronel Blimp), que teve o filme banido do Reino Unido até a descoberta e restauração a cargo de Martin Scorsese, entusiasta da obra, no final dos anos 70. Em suma, uma obra-prima, magistralmente dirigida, com fotografia que se destaca pelo uso das cores e tensa atmosfera de suspense psicológico, em que o assassino é também um pouco de nós, cinéfilos, ansiosos para bisbilhotar emoções e sofrimentos de vidas alheias. Esse é o aspecto mais perturbador de Peeping Tom e que perdura até hoje. Um clássico.

4 comentários:

zjjllb disse...

This is very nice blog. do you konw Mozilla Firefox web browser?I really loved it,I hope you may want to download and try. thank you.

Alê disse...

Ah, você foi!
Por causa da chuvona que caiu ontem à noite, acabei desistindo.
Beijo.

Lorde David disse...

Decidi de última hora, apesar da chuva, do trabalho e da exaustão. Mas foi recompensador o esforço. E a sessão estava bem cheia. Um beijo, milady.

Michel Simões disse...

perdi...