quarta-feira, fevereiro 28, 2007

O Mestre das Armas

(Fearless/Huo Yuanjia, China, 2006)



A despedida de Jet Li dos filmes de artes marciais ou wushu, estilo que o consagrou, abre já em pleno combate, num torneio na Xangai dos anos 10, onde ele, como Huo Yuanjia (que realmente existiu) será o solitário oponente chinês contra os lutadores de potências ocidentais e do Japão, que querem dominar e dividir a China entre si. Em seguida, em flashback, narra-se a trajetória deste lutador baixinho, filho de um sábio mestre das artes marciais de Tianjin, que, no entanto, se recusa a educá-lo para o combate. Secretamente, apenas na presença do estudioso amigo Jinsun, passará a treinar com a motivação maior de encher de porrada os coleguinhas que o humilham, sobretudo depois que vê o pai perder uma luta num torneio. Já adulto, e de combate em combate, dominando todo tipo de arma (facão, espada, lança, sansetsukon ou o nunchaku de três seções, etc.) e estilos, se tornará invencível na cidade e, arrogante, assumirá a escola do pai e arranjará uns discípulos encrenqueiros. Numa briga no restaurante de Jinsum (Nong Yong), matará seu mais forte oponente. Como retaliação, sofrerá a grande derrota de sua vida: o massacre da família. Pára de lutar, partindo pelo mundo como uma espécie de lutador renegado, até finalmente se dar conta da profundidade e da humildade dos ensinamentos paternos, ao plantar arroz numa aldeia ou enamorar-se de uma bela camponesa cega, e retornar à cidade como fundador da Federação Chin Wu de Esportes, que democratizaria as artes marciais, antes enclausuradas nos templos, academias militares e escolas, e que existe até hoje, e para a redenção no torneio final.

Bela produção, cenários de encher os olhos, algumas excelentes lutas a cargo mais uma vez de Yuen Woo Ping (Matrix, O Tigre e o Dragão, Kill Bill), aqui mais físicas e menos acrobáticas, não me empolgou, no entanto. Talvez pela repetição dos estilos de combate e de coreografias já encenadas em outras produções estreladas por Li, e muito mais enlouquecidas e delirantes, como Era Uma Vez na China (1991), de Tsui Hark, e The Legend (1993), de Corey Yuen. Talvez pela direção meio frouxa de Ronny Yu (Freddy vs. Jason), entregando algo muito óbvio e conciliador no final. Tinha que ter partido para arregaçar com tudo, em minha opinião. Às vezes até consegue, mas graças a Jet Li que a Ronny Yu. E que fosse tudo filmado de forma épica e triunfal, exaltando os combates, a glória do guerreiro, e não pasteurizada, repetindo luta atrás de luta, sem muita convicção, afinal trata-se da despedida de um astro lutador. E nem o arrependimento de Huo Yuanjia, que passará a proferir com insistência todos aqueles “sábios” ensinamentos que soam mais como frases lidas de biscoitos da sorte chineses, chega a ser especialmente convincente ou comovente depois de tanta arrogância demonstrada na primeira parte do filme. Mas Jet Li é sempre Jet Li. Filme que pede revisão, de qualquer forma. Não é sempre que se vê Jet Li lutando nas telonas, na sua língua original. E agora, menos ainda. Ou nunca mais, como diria um bom escorpiano.

5 comentários:

Claudio disse...

Prá mim foi o maior e o melhor de todos os filmes de KUNG FU de todos os tempos DEUS te abençoe pequeno DRAGãO LI Amém

Anónimo disse...

I found this site using [url=http://google.com]google.com[/url] And i want to thank you for your work. You have done really very good site. Great work, great site! Thank you!

Sorry for offtopic

Anónimo disse...

Who knows where to download XRumer 5.0 Palladium?
Help, please. All recommend this program to effectively advertise on the Internet, this is the best program!

Anónimo disse...

Visa/Mastercard/Amex/eCheck viagra professional World shippind eulexin Canadian elimite Buy diltiazem hcl RX tizanidine 10mg elimite

Anónimo disse...

[url=http://www.chf4kids.org/]Generic Viagra 100 mg[/url]