terça-feira, julho 24, 2007

O Gosto dos Outros

Gostar ou não de Transformers, de Michael Bay. E gostando, como admitir isso diante de um público que parece sempre refratário àquilo que Hollywood produz, ainda que nunca deixe de freqüentar os multiplexes? É uma das questões que Bernardo Krivochein propõe em sua crítica da crítica a Transformers. Vejam só:

Não cabe a mim dizer se Michael Bay é arte – tanto que eu não o fiz. Quase, mas não fiz. O que devemos estudar é a forma como Bay e seus comparsas, tendo acesso a tantos milhões de dólares e se associando a projetos de grande interesse do grande público, são rejeitados justamente por grande porcentagem do público que o freqüenta fielmente. A necessidade que as pessoas precisam ser levadas a sério (coisa da carência fudida de brasileiro, que precisa ser aceito pelo maior número de pessoas possíveis - uma geração que "gosta de tudo", mas na verdade sem gosto definido, com medo de ser segregada por alguém atraente) as conduz para um estado de esquizofrenia: assistem a Michael Bay sem poder admitir que o apreciam, com medo do policiamento intelectual que assombra e julga. Será apenas quando admitirmos que não há possibilidade de arte em Hollywood, é que poderemos enxergar em quê a arte de Hollywood se consiste.

Mais detalhes in blogindie.blogspot.com. Vale ler também a sua crítica (excelente!) ao filme em: www.zetafilmes.com.br

4 comentários:

Andros Renatus disse...

É isso aí! Li o texto do zeta filmes e achei muito legal! Adoro esses "chutes no saco" dos cinéfilos esnobes... Mas acho que o autor ali em alguns momentos sobredourou um pouco a pílula, racionalizou demais (o que é explicável, já que o importante é argumentar a favor de transformers para os "conoisseurs" esnobes e na linguagem deles... Mas eu prefiro simplesmente, curtir o filme, relaxar e gozar, e dizer: Transformers é legal pra caralho!!! Só isso...

Lorde David disse...

Mas eu fiquei empolgado com o texto dele, também. E gosto dessas racionalizações do Bernardo. Fogem um pouco do lugar-comum da crítica que leio nos jornais, por exemplo. E, sim, Transformers é duca! Um abraço.

Ailton disse...

Não há possibilidade de arte em Hollywood?

Lorde David disse...

Há possiblidade, sim. Mas por ser Hollywood, muita gente ignora isso, inclusive pelo fato do filme em questão ser Transformers. É um pouco isso que o texto do Bernardo discute. Acho.